Biodiversidade: um assunto essencial por natureza

Uma onça pintada, um grande gato amarelo cheio de manchinhas pretas que parecem as sombras da vegetação, olha para você por entre a vegetação com seus grandes e profundos olhos amarelos.
Biodiversidade: um assunto essencial por natureza

O Dia do Meio Ambiente contou com a temática biodiversidade! Confira o artigo de hoje para entender esse e alguns termos relacionados.

Escrito por João Pedro Varal Tartari.

Apesar de o Dia Internacional da Biodiversidade ter sido comemorado no dia 22 de maio, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) decidiu, ainda em fevereiro, que o Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho) também seria promovido com essa temática.

A palavra vem da união de “bio”, que significa vida, e “diversidade”, característica do que é plural. Usada para agrupar toda a variedade de as formas de vida do planeta Terra assim como os ecossistemas que as abrigam, a biodiversidade se encontra, recentemente, muito ameaçada.

Um relatório publicado pela Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), que analisou uma grande quantidade de dados de fontes científicas e governamentais, concluiu que em torno de 1 milhão de espécies de animais e plantas podem ser considerados como ameaçadas de extinção.

E não para por aí… O relatório também elenca, em ordem descendente, os principais culpados desse problema: mudanças no uso da terra e dos mares, superexploração de plantas e animais, mudança climática, poluição e espécies invasoras.

O problema é que a maior parte dessas atividades está acontecendo como consequência da atividade humana sobre o globo. Isso significa que a falta de cuidado do ser humano pelo planeta está fazendo com que inúmeros seres vivos desapareçam.

Com o intuito de fazer isso parar, o PNUMA busca usar a data de grande preocupação com o meio ambiente para mantê-lo conservado. E ela conta com muita colaboração para fazer isso…

#PelaNatureza

Como forma de trazer mais informações a respeito do meio ambiente e da biodiversidade e mobilizar as pessoas acerca do assunto, o PNUMA lançou a campanha #PelaNatureza.

A ação procura trazer a reflexão de como, através de uma prática de consumo descuidada, nós fragilizamos a natureza e que, para resolver esse problema que já vem de gerações, é preciso tomar uma atitude, mesmo que de casa.

Segundo um vídeo divulgado pelo canal do Programa no YouTube: “É hora de garantir nosso futuro. É hora da natureza.”

ABC da Biodiversidade

A equipe da Silicup também decidiu participar dessa campanha de conscientização. Durante todo o mês de junho vamos publicar conteúdos explicando conceitos relacionados à biodiversidade e os impactos que o ser humano tem sobre as mais diversas formas de vida e seus habitats.

O artigo de hoje traz um resumo de alguns desses conteúdos. Abaixo você pode conferir alguns desses termos:

Bioma

Bioma é o nome dado a um conjunto de plantas que se estendem por uma grande região, mantendo as mesmas condições de clima, solo e relevo e servindo como lar para diversos animais, fungos e vegetais. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil é composto por seis biomas:


Atravessando um número incontável de árvores, serpenteia uma faixa de água de cor marrom, que surge da direita da imagem, se aproxima da borda esquerda, volta para a direita e se une com um rio ainda maior, no fundo da imagem.
A floresta se estende por nove países e cobre mais do que metade de toda a área do Brasil. – Foto: Sidney Oliveira/Agência Pará

Amazônia: ocupando quase todo o Norte e parte do Centro-Oeste do Brasil, a Amazônia é uma floresta equatorial densa e rica em espécies de plantas e animais. Devido à sua umidade, que provém da grande quantidade de árvores desse bioma, ela é responsável por uma das principais frentes de ar da América do Sul.

Em um primeiro plano, pode-se ver uma série de cactos com os mais variados tamanhos e formatos. Eles crescem sobre um mato seco e levemente esbranquiçado. Logo atrás dessas plantas, estende-se uma terra alaranjada e arenosa, sobre a qual, eventualmente, ascende uma pedra ou um grupo de plantas. Os mais altos dentre esses vegetais são algumas árvores sem folhas ou com quase nenhuma. Uma delas se destaca no meio da imagem, entre duas pedras, tem o tronco retorcido e os galhos secos.
A “floresta branca” cobre 70% do território nordestino. – Foto: Samuel Morais

Caatinga: um bioma exclusivamente brasileiro, a Caatinga está localizada totalmente no Nordeste. Típica do clima semiárido, a vegetação se adaptou à pouca disponibilidade de água e ao solo rico em minérios – sendo composta, em sua maioria, por cactos.

O capim alto (por vezes dourado, por vezes verde) se estende sobre um grande campo, que só se encerra quando encontra um grupo de morros no fundo da imagem. Eventualmente ele abre espaço para uma árvore com troncos retorcidos e folhas de um verde um pouco amarelado. Uma delas surge logo na frente da imagem: o tronco torto sobe para dois galhos que fazem voltas sobre si mesmos. As folhas se encontram apenas na parte mais acima dos galhos - algumas pequenas nuvens verdes presas por galhos pontiagudos. No fundo, o céu é limpo (sem nuvens) e de um azul vívido.
O bioma se estende por 22% do território brasileiro. – Foto: Júlia Trujillo

Cerrado: encontrado entre o Centro-Oeste, o Nordeste e o Sudeste do país, o Cerrado é uma espécie de savana brasileira. O bioma, que tem um clima bem dividido (chuva no verão e seca no inverno), é lar de inúmeras espécies de plantas com potencial medicinal.

Em frente a uma mata densa, com folhas de diversos formatos e tamanhos com um tom de verde profundo, está disposto um conjunto de pedras cobertas por uma camada de um musgo macio e esverdeado. Uma delas, com um formato mais arredondado, se destaca das outras. Além do musgo, ela serve de apoio para uma série de plantas pequenas com folhas longas e afiadas.
Hoje resta menos de 12% de toda floresta que existia. – Foto: Glauco Umbelino

Mata Atlântica: lar de uma grande biodiversidade, a Mata Atlântica se estende por quase todas as regiões brasileiras. Formada pelos mais diversos tipos de vegetação (florestas, manguezais, campos), o bioma registrou um aumento de 27% no desmatamento entre 2018 e 2019.

Em frente a um céu azul claro, no qual flutuam macias nuvens brancas, uma árvore pequena e solitária se ergue sobre a vegetação rasteira e amarelada que se estende por um grande campo. Esse, seria quase ilimitado não fossem as montanhas que se estendem, pequenas, no fundo da imagem.
A fauna do bioma é composta, em sua maioria, por aves e mamíferos de pequeno porte. – Foto: Pablo Rodriguez Merkel

Pampa: no Brasil presente apenas no estado do Rio Grande do Sul, o Pampa é um bioma composto, em sua maioria, de plantas de baixa altitude. O solo fértil e fazem com que ele seja muito aproveitado pela agricultura – e que corre grande risco de desaparecer.

A luz alaranjada do sol ilumina um horizonte repleto de árvores dos mais diversos tamanhos e volumes. Elas estão na margem de um rio repleto de discos vegetais com bordas acentuadas. Essas plantas que mais parecem formas de torta são as vitórias-régias, que se misturam com a luz do sol que reflete na água.
Muitas espécies ameaçadas seguem existindo em grandes populações no Pantanal. – Foto: Divulgação

Pantanal: considerado a maior planície alagável do mundo, o Pantanal está localizado na fronteira entre o Brasil e o Paraguai, entre os estados do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul. Mesclando traços da vegetação da Amazônia, do Cerrado e da Mata Atlântica, é um dos biomas mais preservados do país.


Os biomas estão sob constante ameaça. Seja através do desmatamento, promovido para a criação de gado ou a criação de garimpos (muitas vezes ilegais), de queimadas que não fazem parte do funcionamento do bioma ou da poluição gerada pelo ser humano, muitos desses espaços e suas biodiversidades podem desaparecer de maneira irreversível.

Nesse contexto, é importante que o ser humano atue para proteger esses espaços e garantir que eles continuem existindo!


(GIF) Uma tartaruga marinha nada sobre um recife de coral.
Os recifes de coral são alguns dos ecossistemas mais ameaçados do mundo. – Foto: Divulgação/BBC America

Ecossistema

Usado para o conjunto de comunidades de determinada região que interagem entre si e com o meio ambiente, a palavra ecossistema vem da fusão de “oikos”, termo grego para casa, e “sistema”, ou seja, uma reunião de elementos que se interligam.

Os ecossistemas são formados por dois componentes: o biótico, que representa todos os seres vivos (como plantas e animais), e o abiótico, os fatores físicos que influenciam nas relações (como a chuva, o solo e a iluminação). Eles ainda podem ser tanto aquáticos, como os recifes de coral e os mangues, ou terrestres, como as florestas e os desertos.

Esses seres dependem uns dos outros para continuarem existindo. Assim, eles desempenham papéis, chamados de níveis tróficos.

Dessa forma, eles podem ser: produtores, caso produzam a energia e os nutrientes que serão aproveitados por si e pelos outros membros do ecossistema, consumidores, caso se alimentem de produtores ou de outros consumidores, e decompositores, caso devolvam os nutrientes para o meio ambiente.

Para conduzir essas relações, existe a cadeia alimentar. Começando com os produtores, passando pelos consumidores e se encerrando com os decompositores, é através dela que a energia e os nutrientes circulam no ecossistema.


(GIF) Cena de "O Rei Leão". Um babuíno, sentado sobre uma pedra, levanta um filhote de leão para uma platéia de animais típicos da savana africana.
O musical “O Rei Leão” mostra a fauna das savanas da África Central. – Foto: Divulgação/Walt Disney Studios

Fauna

Fauna é a palavra usada para reunir todas as formas de vida animal de determinada região.

Os animais ajudam a manter o equilíbrio dos ecossistemas em que vivem: os herbívoros se alimentam das plantas, os carnívoros comem outros animais e os onívoros consomem tanto plantas quanto carne. Ainda existem alguns animais que ainda realizam a decomposição da matéria orgânica (os decompositores), reiniciando o ciclo.

Através dessas relações, eles impedem que outros seres vivos se multipliquem em grande escala e destruam essa harmonia.

É por isso que as espécies invasoras, aquelas levadas pelo ser humano de um ecossistema para outro, são tão prejudiciais. por não terem predadores naturais, elas se reproduzem rapidamente, consumindo uma maior quantidade de recursos podendo, até, levar outras espécies à extinção.


(GIF) Evolução do Pokémon Exeggcute em Exeggutor e, em seguida, para sua versão em Alola. Um grupo de seis ovos-semente cresce um ramo que se torna uma palmeira baixinha com três rostos. A palmeira cresce em altura e ganha um rabo que também tem um rosto.
Um Pokémon do tipo planta faz parte da flora de um local? – Foto: Paul Robertson

Flora

Conjuntamente à fauna, existe a flora. Esse é o nome usado para se referir ao conjunto de plantas de uma determinada região.

Essas estão diretamente relacionadas a fatores como a temperatura, a iluminação e o solo. Assim, não só cada bioma tem uma flora bastante diversa, como espaços de vegetação dentro dessas divisões podem possuir espécies de plantas bastantes diferentes.

Dentro da flora, geralmente, estão as espécies produtoras – que estão na base dos seus ecossistemas. Através da fotossíntese, boa parte das plantas gera açúcares que funcionam como energia para elas e para o resto das espécies que integram a cadeia alimentar.

Elas também administram o regime das chuvas de uma região, em especial através da evapotranspiração, processo no qual, pela evaporação, liberam água para a atmosfera, colaborando para regular o clima da região em que vivem.

Foto da capa: Araquém Alcântara

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*