Dia Mundial da limpeza: uma oportunidade para repensarmos nossa relação com o lixo

Dia 19 de setembro é o dia mundial da limpeza. Este ano a dinâmica da mobilização está um pouco diferente, mas a reflexão sobre os problemas causados pelo lixo continua. 

Daria Hevtsova/Pexels

Escrito por Bruna Piva

Como tudo começou

Em 2008, na Estônia, país do norte Europeu, 50 mil pessoas se reuniram numa ação coletiva que tinha como intuito recolher os lixos das ruas e, assim, limpar um país inteiro.

Como resultado, não só conseguiram retirar das cidades uma quantidade considerável de lixo em apenas 5 horas, como também estenderam a ideia para o mundo todo.

E assim, tempos depois nasceu o Dia Mundial da Limpeza (World Cleanup Day), um dia de ação e de conscientização intensa acerca dos problemas causados pelo descarte incorreto de resíduos nas cidades

Desse modo, todo mês de setembro, a partir de uma data selecionada, diversos países com seus voluntários se dedicam a fazer a limpeza de suas respectivas cidade. 

Em 2019 a mobilização ocorreu em 180 países e territórios e contou a participação de 20 milhões de pessoas como indica a ong Limpa Brasil, que é a grande idealizadora e engajadora do projeto no país.

Contudo, no ano de 2020, devido pandemia do novo coronavírus, infelizmente, a ação ficou inviável, visto que realizar a junção de pessoas e ainda lidar com o lixo desconhecido não é uma prática nada segura nesses nossos tempos.

Por isso, a atividade da forma como era realizada não acontecerá, mas será sim promovida de uma nova maneira. 

2020 e a pandemia: como fica, então, o dia mundial da limpeza?

Diante do quadro grave provocado pela pandemia o isolamento social, tornou-se uma medida extremamente necessária para tentar conter o avanço da doença.  Logo, foi inevitável o maior contato com a nossas casas e, dessa forma, a  proposta desse ano tem seguinte tema: eu cuido do meu quadrado

Basicamente, a ideia é que pensemos sobre o lixo que produzimos em nosso lar e como, então, podemos lidar da melhor maneira com ele.

No site oficial há uma série de conteúdos para promover o debate acerca disso. E o interessante é que a reflexão tem como objetivo expandir a ideia de resíduo material, a limpeza, portanto, pode ocorrer em diversos níveis. 

As ações sugeridas para o dia mundial da limpeza propõe, por exemplo, a limpeza solidária, que nada mais é do que a separação de itens para doação. Propõe também a  limpeza mental, ou seja  a realização de práticas como a meditação para lidarmos melhor com esses tempos difíceis e limpeza digital que busca refletir como temos feito o uso da tecnologia.

E é claro que a limpeza ambiental não poderia ficar de fora, já que é o aspecto originário desta mobilização. Nesse sentido, há uma série de ações individuais e ações que podem ser feitas em casa que ajudam na manutenção de uma cidade limpa. 

Pensando nisso, então, para o dia mundial da limpeza, separamos algumas dicas de práticas que podem ser realizadas em nosso “quadrado” e que contribuem para diminuição do impacto do lixo no meio ambiente. Confira.

Limpeza da casa:  o que fazer com o nosso lixo?

Juan-Pablo Serrano Arenas/Pexels

1- Separação do lixo: reciclável, orgânico e rejeitos

Essa é a primeira grande mudança de hábito que podemos instaurar em nossas casas. Uma ação muito simples que pode e muito contribuir para o meio ambiente, já que a reciclagem ajuda a diminuir a sobrecarga dos aterros, diminui também a necessidade de se explorar recursos naturais e ainda movimenta economia.  

Assim, separe os papéis, plásticos, metais e vidros, lave o que for necessário e encaminhe para coleta seletiva ou ecopontos de sua cidade. 

Caso não tenha em sua região, uma opção viável são aplicativos como o Cataki, que disponibilizam o contato de catadores de materiais recicláveis que podem estar próximo a você. 

Já os resíduos orgânicos, que são as sobras de alimentos, podem ser colocados em sacolas biodegradáveis e encaminhados à coleta comum. 

Há ainda mais uma opção: esse tipo de lixo pode ser reciclado e isso pode ser feito através das composteiras domésticas.

E, por fim,  os rejeitos como o papel higiênico, fraldas etc. devem ser descartados na coleta comum e, desse modo, são levados para aterros sanitários para terem o devido tratamento. 

2- Eletrônicos

Com o aumento do uso de eletrônico nos últimos anos, seja em casa ou seja no trabalho, aumentou-se também a produção de resíduos desse tipo. É muito importante estarmos atentos, uma vez, que esse material não pode ir para o lixo comum. 

Hoje temos a lei de logística reversa, que garante que o consumidor tenha os caminhos facilitados para descartar esse tipo produto. 

Além disso contamos com iniciativas como a do Green Eletrón que estão aí para nos auxiliar no descarte correto dos eletrônicos.

3- Óleo de Cozinha

O óleo de cozinha após utilizado não deve ser jogado pelo ralo da pia, pois isso ocasiona uma série de problemas como, por exemplo, entupimento da caixa de gordura e contaminação da água. 

Dessa maneira, a melhor forma de descartá-lo é armazená-lo em garrafa pet e encaminhá-lo para locais especializados que podem ser encontradas aqui.

4-Medicamentos

Esse é outro tipo de resíduo em que o ideal é que não seja desprezado em lixo comum ou no esgoto. Eles podem contaminar a água e o solo.

Busque sempre por farmácias e drogarias que recolham esse tipo de material. 

Atenção! Alguns tipos lixos parecem inofensivos, mas na verdade são um grande problema: fique atento!

Tomar cuidado com alguns tipos de materiais, pode ser uma ação individual que beneficia a limpeza da cidade e a preservação do meio ambiente.

1-Chiclete

Embora pareça um pequeno lixo sem muita importância- é preciso atenção, pois o chiclete possui algumas características que afetam de maneira negativa o meio ambiente. 

Primeiramente, a sua composição é derivada do petróleo, ou seja, sua decomposição leva algum tempo para ocorrer, em média 5 anos. 

Junta-se a isso,  cerca de 80 a 90% são descartados incorretamente, o  que faz com que uma série de problemas aconteça em decorrência disto. 

A poluição causada pelos chicletes só não é maior do que aquela causada pelas bitucas de cigarro.   

Além do prejuízo ambiental que eles provocam, o gasto para realizar a limpeza desse produto nas ruas também é muito grande. 

Felizmente, algumas iniciativas, como da inglesa Gumdrop ltd  surgiram e criaram o processo de reciclagem do produto para, desse modo, tentar diminuir o impacto causado por ele.

Mas ainda sim seu efeito é desfavorável ao meio ambiente. É preciso ponderar o seu consumo e, principalmente, é muito importante fazer o descarte correto no lixo. 

2. Cápsula de café

Mesmo sendo recicláveis, as cápsulas de café, não atrai tanto os olhares das cooperativas de reciclagem, muito por conta da complexidade do processo de separação dos materiais e também por conta do baixo valor comercial delas.

Dessa maneira, seu descarte, em sua maioria, é feita no lixo comum. Como bem aponta o Ecoa, somente 28% desse material tem destino sustentável em todo mundo. 

Por isso, diante desse cenário a grande dúvida é: como então de descartar essas cápsulas? 

A Nespresso, que é grande fabricante deste produto, possui alguns pontos de coletas, portanto, por hora, esta é melhor forma para realizar o descarte. Para conferir se há alguma ponto coleta próximo a você basta acessar a página da empresa. 

3. Bituca de cigarro 

O cigarro, que tem um efeito danoso à saúde humana já bem conhecido, também é muito prejudicial ao meio ambiente, sobretudo, pelo fato das bitucas serem jogadas indiscriminadamente pelas ruas. 

Além de demorarem para se decompor na natureza, as bitucas possuem diversas substâncias tóxicas que contaminam o solo e água.

Ou seja, é muito importante que se repense o uso do cigarro visto tamanhos maléficos por ele causado. Mas se ainda sim fizer o uso fique atento para não  jogá-lo no chão. Há uma série de soluções que pensam a melhor forma de lidar com esse resíduo, descarte-o corretamente!

Rever nossos hábitos é parte essencial do processo de tornar o mundo mais sustentável. 

E você já segue alguma de nossas dicas, pratica ações ecológicas em relação ao lixo? Conta pra gente!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*